alcoolismo

Alcoolismo, veja os sinais mais comuns

Não há cura para o alcoolismo. Essa é uma realidade que o alcoólatra e seus parentes não podem negar. O tratamento do alcoolismo é uma batalha diária que precisa ser ganha. E não é fácil.

O que leva uma pessoa ao alcoolismo é uma combinação de fatores genéticos, fisiológicos, psicológicos e sociais.

Os genes podem ser um importante fator no desenvolvimento do alcoolismo. Pesquisas indicaram que os filhos de alcoólatras são quatro vezes mais propensos a se tornarem dependentes. Apesar dessa estatística estar, em parte, relacionada a fatores de convivência, os cientistas determinaram que há uma substancial ligação genética.

Fisiologicamente, o álcool altera o equilíbrio químico no cérebro. Ele afeta substâncias químicas no sistema nervoso central, como a dopamina. O corpo eventualmente anseia pelo álcool para restaurar sentimentos de prazer e evitar sentimentos negativos. Pessoas que já sofrem de muito estresse ou problemas psicológicos, como baixa auto-estima e depressão, apresentam maior risco de desenvolver alcoolismo.

Fatores sociais como a pressão social, as propagandas e o ambiente também desempenham um importante papel no desenvolvimento do alcoolismo. Pessoas jovens normalmente começam a beber porque seus amigos bebem.

Se você ou algum conhecido apresentar algum dos sinais a seguir suspeite que pode se tratar de um caso de alcoolismo:

Alcoolismo entre empresários vem crescendo e assustando

O alcoolismo é uma doença que não escolhe classe social, afeta a todas por igual e principalmente para as pessoas mais abastadas, com mais dinheiro para gastar com bebidas alcóolicas, está crescendo rapidamente.

No categoria de pessoas com mais dinheiro para gastar com bebidas e em que o alcoolismo vem crescendo rapidamente está a dos empresários. Até mesmo pela cultural empresarial dominante, eles podem se tornar vítimas do alcoolismo.

Muitos empresários consideram normais e, as vezes, até necessárias para o fechamento de negócios, reuniões ou comemorações regados a bebidas. É bastante comum tomar-se um “porre” quando do fechamentos de negócios de vultos com empresários orientais como os japoneses, por exemplo.

Tratamento do alcoolismo, as três alternativas

Grande parte das pessoas pensa que o tratamento do alcoolismo é feito em um clínica de alcoolismo, tais como as clínicas para tratamento de dependentes químicos. No entanto existem outras alternativas antes da pessoa precisar ser internada em uma clínica. Tudo dependerá da vontade da pessoa se curar do alcoolismo.

Não existe o tratamento ideal para o alcoolismo e as recaídas são muito comuns em pacientes em tratamento. Na maioria dos casos o paciente não percebe o quanto esta envolvido e nega sua dependência… então o inicio do tratamento é ajuda-lo a reconhecer o problema.

Vamos ver as três alternativas ao tratamento do alcoolismo:

Tratamento para dependentes químicos pode ser feito a força, diz Justiça

Uma decisão da justiça dá esperança a uma grande quantidade de famílias que tem um dependente químico que não quer se tratar: a 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul deu provimento ao apelo de uma mãe que teve negada, em primeira instância, autorização para internar o seu filho. A decisão foi tomada em caráter monocrático pelo desembargador Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves, no dia 24 de março de 2011.

A mãe sustentou que o filho precisa ser submetido a tratamento em função do comportamento agressivo, que está desestruturando a família, além de colocar em risco sua própria integridade. O rapaz, dependente químico, não aceitava se submeter ao tratamento.

No entanto, ela não conseguiu em primeira instância a autorização para internação, porque não apresentou, no juízo da Comarca de Erechim, recomendação médica expressa para tal. Por isto, ela apelou ao TJ-RS, pedindo a reforma da sentença, a fim de encaminhar o paciente para avaliação médica e, se for o caso, interná-lo compulsoriamente.

Já o Desembargador afirmou que quando dependente químico se nega a se submeter à consulta psiquiátrica, pode ser conduzido com a ajuda de força : ‘‘Trata-se, portanto, de uma situação emergencial, pois está em risco a saúde e a vida de (…), tratando-se, também, de uma situação excepcional, tendo em mira a gravidade da sua condição pessoal, pois se mostra imprescindível o atendimento da pretensão de sua mãe (..), ora recorrente.’’

A dependência química é uma doença muito séria e existem várias estudiosos que se pronunciam que em determinados estágios ela tira totalmente a capacidade de uma pessoa expressas suas opiniões.

A decisão do Desembargador do Rio Grande do Sul parece vir em favor desse entendimento. Vamos esperar e torcer que outros magistrados do Brasil passem a ter esse entendimento sobre a questão do tratamento compulsório de dependentes químicos de modo a não sobrecarregar ainda mais a família dos dependentes químicos.

Para finalizar, para as pessoas que não tem consciência do que a dependência química pode destruir na vida de uma pessoa, vamos contar uma história de um jogador de futebol que foi campeão brasileiro, da Libertadores e vice-campeão mundial e hoje se tornou camelô devido a ter enfrentado problemas com o alcoolismo e desperdiçado o dinheiro que ganhava:

Alcoolismo – o quanto ele prejudica o organismo

Diversos são os problemas causados pelo alcoolismo. Apenas em relação ao câncer ele aumenta em 10 vez a possibilidade de ter qualquer forma do que a população em geral, não alcóolatra.

Esperamos que apontando os problemas que o álcool causa ao organismo leve a mais pessoas a procurar o tratamento do alcoolismo, para si ou para uma pessoa querida.